sexta-feira, 11 de março de 2011

Poeminha sem poema - Ana Kita

cala
e o julgo sábio,
queria eu ser aprendiz
de seu silêncio,
mas falo
e ele me cala.
(...)

Ana Kita

4 comentários:

  1. muito boa a ambiguidade do poema!

    bjos

    ResponderExcluir
  2. Que bom que a encontrou! hehe (Será a mesma que a minha!? :P) Obrigada, Íta!

    Beijos, beijos!
    Ana

    ResponderExcluir
  3. 'fase do poeta eduardo silveira'? ô, ana, aí não né, rsrs. não é pra tanto. mas acho que pelo menos os poemas servirão para eu mostrar aos netinhos.

    e sobre o texto,
    é um poema sem fim, penso.
    (pelo menos é assim que o vejo :P) achei boa sacada

    bjo!

    ResponderExcluir
  4. Nem foi exagero, acho que você que está sendo modesto demais! Já lhe vejo como escritor marcante, com fases, imagino sim nossos alunos estudando.

    Gostei dessa ideia, de não tem fim! Pode mesmo ser! Adoro conhecer outros olhares! ;) Obrigada!

    Beijos, beijos!
    Ana

    ResponderExcluir